Segundo o Colégio Americano de Medicina Desportiva (ACSM), as duas grandes tendências mundiais do fitness para o ano de 2020 foram a utilização de wearables e a realização de treino intervalado de alta intensidade, vulgarmente designado como HIIT. A fechar o pódio surge a realização do treino em grupo (Thomson, 2019), que se tem revelado uma estratégia interessante para aumentar a adesão à prática de exercício, bem como um elemento facilitador da sua manutenção a longo prazo (stodle et al., 2019).

Graças à sua dimensão social e à oportunidade que oferece para o estabelecimento das relações interpessoais saudáveis (uma das três necessidades psicológicas básicas do ser humano), o treino de grupo oferece várias vantagens físicas, sociais, anímicas, motivacionais e de entreajuda, que contribuem para uma prática duradoura e sustentada (Church et al., 2019; Wiles et al., 2008).

Considerando o contexto social com que nos deparamos hoje, é fundamental mantermo-nos ativos, arranjando estratégias que nos permitam uma prática de exercício enriquecedora e regular, que nos afaste do sofá ou da secretária de trabalho improvisado. Em regime de quarentena, o treino de grupo poderá ser uma dinâmica interessante, sobretudo se o grupo for a família. Para além dos benefícios associados à prática do exercício físico (por exemplo melhoria do sistema imunitário que, neste momento, assume particular interesse –  Sander,2012), permitirá igualmente aproximar os vínculos e relações, proporcionando momentos de qualidade entre os membros da mesma família, o que nem sempre é possível face à correria da vida.

Por fim, treinar nestes moldes pode ser uma alternativa muito interessante para todos os elementos da sua família e que irá tornar mais fácil o alcance dos objetivos para aqueles que mais precisam, quer seja em termos de saúde, quer seja em termos de performance, competitivos ou apenas por divertimento. Teremos todo o gosto em ajudá-lo nos treinos em família!

We laugh the most when we push ourselves the hardest, because then it doesn’t hurt so much. It is a little hard to laugh alone… The group definitely matters.”

– group exercise participant (Midtgaard, Rorth, Stelter, & Adamsen, 2006)