Para iniciar um plano de treino, deve ser acompanhada por um profissional de exercício físico. Deve realizar-se uma avaliação inicial com historial médico e informações sobre a gravidez. Consoante o estado de saúde da grávida, existem contraindicações absolutas e relativas para a prática de exercício físico que são precisas ter em consideração. A avaliação serve para gerir expectativas e dar mais conhecimento, confiança e informação à grávida.


Durante o 3º trimestre, as alterações anatómicas e biomecânicas são mais óbvias, sendo recomendadas atividades aquáticas e com suporte do peso do corpo para atenuar o efeito negativo da compressão abdominal e pulmonar, permitindo mobilizar as articulações com resistência passiva.

Nas atividades de grupo, torna-se necessário assegurar condições de segurança nas tarefas que implicam alterações de equilíbrio e da coordenação que possam levar a quedas. O reforço lombar deverá ser continuado nesta fase, tendo em conta que poderá prevenir ou atenuar possíveis dores, condição prevalente durante a gravidez. Tendencialmente existirá uma redução na intensidade do exercício, exceto no que se refere ao treino dos músculos do pavimento pélvico. De salientar que durante o terceiro trimestre, o programa de exercício deve ser articulado com um programa de preparação para o parto e amamentação, ministrada por um enfermeiro especialista em saúde materna. A mulher deve parar de fazer exercício quando já não se sentir confortável ou quando o médico disser. É aconselhado começar a evitar a água posteriormente às 38 semanas pois pode não se notar perda de muco.


Os benefícios do exercício físico durante a gravidez passam, entre outros, pela melhoria das condições para o trabalho de parto, diminuição da sensação de dor durante o trabalho de parto, diminuição da duração do parto, melhoria da recuperação pós parto, melhor retorno aos níveis de força e flexibilidade, melhor recuperação do peso e barriga, prevenção de ansiedade e depressão, promoção do bem estar e diminuição da sensação de fadiga e promoção da saúde materna e do feto.
O exercício moderado e regular influencia de forma positiva a saúde da mulher e não produz stress ao feto. O ambiente uterino parece ser um meio de ação rápida para a saúde futura.


Todas as mulheres são diferentes e o que serve para uma pode não servir para a outra. É de salientar que o mesmo exercício pode puxar menos num dia e mais no outro. A mulher deve aprender a escutar o seu corpo.

Se precisar de orientações, contacte-nos.

Bons treinos!