Para que a mudança de comportamento a longo prazo seja bem-sucedida, os praticantes devem-se comprometer com as mudanças e usar estratégias de autogestão para manter o controlo do seu comportamento de exercício físico.

As dicas comportamentais agem como instruções para o início do comportamento desejado. Elas são simples, mas poderosas, porque os indivíduos associam-nas ao exercício. Por exemplo, ver os ténis de corrida que foram colocados na noite anterior perto da cama, levará um praticante inicial a caminhar ou correr pela manhã.


Os contratos comportamentais também podem servir como pistas para a ação. Contratos são acordos assinados por escrito que especificam metas para o exercício e incluem objetivos realistas, um prazo para atingir metas, planos para superar barreiras e recompensas ou consequências por atingir ou não atingir metas. Os contratos devem ser assinados com uma testemunha para torná-los documentos oficiais. O simples ato de celebrar um contrato assinado com outra pessoa pode incentivar o comportamento da atividade física, aumentando o comprometimento e a responsabilidade individual. A publicação de contratos comportamentais num lugar de destaque também pode servir como um lembrete constante da decisão de um indivíduo de levar um estilo de vida mais saudável.


Depois do estabelecimento dos objetivos, a auto monitorização deve ser usada para avaliar o progresso. A auto recompensa pode fornecer motivação para a participação no exercício numa primeira fase do programa, por exemplo comprar roupa de treino. Será uma estratégia usada apenas nos primeiros estágios da mudança comportamental, pois o principal objetivo a longo prazo é a motivação intrínseca que funciona por recompensas inerentes à tarefa.

De modo a prevenir as recaídas, deve manter um estilo de vida ativo. Existem duas componentes principais no processo de prevenção de recaídas:
• Impedir lapsos iniciais, ou seja, perder um treino;
• Impedir que os lapsos passem para uma recaída total.


As situações de alto risco variam de indivíduo para indivíduo, mas podem incluir viagens, trabalho até tarde, mudanças sazonais, e aquela que todos passamos no momento, a pandemia. As soluções para contornar estas situações podem ser realizar o treino de manhã nos dias em que o dia de trabalho pode ser mais longo e procurar apoio online junto de fontes e profissionais credíveis.

É importante perceber que é perfeitamente aceitável perder um treino ocasionalmente e um lapso não significa que abandone completamente o programa. Os lapsos devem ser vistos como erros, e não como falhas, e os erros devem ser considerados oportunidades para aprender. Durante o período crítico após um treino esquecido, será importante que o praticante se lembre da sua razão para se exercitar, se concentre nos sucessos passados, ou seja, todas as sessões de exercícios já realizadas e metas atingidas, e se necessário crie um contrato para continuar o programa de treino.


Altos níveis de autoeficácia para superar barreiras à atividade física são essenciais para a prevenção de recaídas e podem ajudar os praticantes a manter um estilo de vida ativo e saudável. E nós estamos cá, para o ajudar a superar as suas metas e ultrapassar as barreiras que possam surgir pelo caminho.


Bons treinos!


Referências bibliográficas:
White, Siobhan MBS ; Mailey, Emily LMS ; McAuley, Edward. ACSM’s Health & Fitness Journal: January-February 2010 – Volume 14 – Issue 1 – p 8-15