Nos dias que correm, a depressão começa a ser um problema comum na nossa sociedade, umas vezes mais intensa, outras vezes menos, mas em todas as vezes… real.


A depressão provoca no organismo um abrandamento na realização de todas as funções, daí a desmotivação constante das pessoas que sofrem deste problema. O que devemos fazer é contrariar tudo o que o corpo nos diz e começar a agir em todos os aspetos. Podemos começar por realizar as nossas tarefas domésticas, mais básicas, e irmos aumentando a intensidade da atividade, culminando com uma prática física.


Com uma atividade física de nível moderado, num período de 30 minutos, já será visível uma melhoria do humor e bem-estar em pessoas que se encontrem num estado depressivo. É certo que nem todas as pessoas possuem a capacidade para sair de casa e começar a praticar exercício logo após ser diagnosticada a depressão. O conselho, enquanto profissional de exercício e saúde e conhecedor do estado depressivo, é que se comece por uma ação mais calma, como, por exemplo, caminhar na rua de casa durante 5 a 10 minutos, podendo realizar pequenas pausas para recuperar durante 2 a 3 minutos e retomar mais 5 a 10 minutos. Caso não seja possível sair de casa, opte por acumular pelo menos 10 minutos seguidos de atividade física no seu dia-a-dia (ACSM). Esta pequena e simples atividade já será um início para que sinta desde cedo uma melhoria no seu humor e aumento da autoestima e confiança. A partir daqui, é ir aumentando a intensidade até começar a praticar exercício acompanhado pelos especialistas na área.


Se se encontra com uma depressão, aconselhe-se com um profissional de exercício físico e comece a superar a barreira que o está a bloquear. O exercício físico faz com que o corpo liberte endorfinas, um neurotransmissor produzido de forma endógena, que nesta condição encontra-se deficitário. É por isso que é um componente presente em medicamentos antidepressivos, que nos dará a sensação de prazer e bem-estar.

Assim sendo, uma das soluções para a depressão estará na prática regular de exercício físico, como coadjuvante terapêutico, e na manutenção de um estilo de vida saudável, uma vez que se torna possível a redução das quantidades de medicação administradas. Contudo, a decisão de deixar ou reduzir a medicação deve partir sempre do seu médico.


Posto isto, o que temos a dizer é que pratique exercício físico, em prol da sua saúde mental e física.