O modo como armazenamos os alimentos é fundamental para manter as propriedades nutricionais e evitar a contaminação com microrganismos e toxinas. A falta de cuidado no armazenamento pode comprometer a saúde, promovendo a contaminação cruzada, a aceleração da deterioração e o desperdício alimentar.

1. Peixe e Carne:

Se congelar, deve-o fazer em porções individuais. Dessa forma, não haverá desperdício, visto que irá descongelar apenas o volume necessário para a refeição. O peixe deve ficar armazenado a 2oC e quando cozinhado pode permanecer refrigerado durante 24 horas. A carne deve ser armazenada a 4oC e quando cozinhada, deve ficar no refrigerada no máximo 3 dias.

2. Hortaliças:

Primeiramente, retire as folhas “estragadas”, o resto de terra e os possíveis insetos. Devem, depois, ser armazenadas completamente secas em sacos/recipientes não totalmente fechados sob refrigeração a 10oC (os nossos frigoríficos geralmente estão no máximo a 6-7oC, por isso use a prateleira ou gaveta inferior onde a temperatura é mais alta), num máximo de 3 dias de armazenamento.

3. Legumes:

Para um melhor armazenamento deve separar os legumes de acordo com o tipo: tubérculos (ex.: batata) devem ser mantidos em locais secos e escuros, legumes de bulbo (ex.: cebola), legumes de fruto (ex.: tomate e pepino) e legumes de raiz (ex.: cenoura) também devem ser mantidos em locais secos e não de frigorífico para melhor conservação.

Prefira descascar e picar os legumes apenas antes do seu uso para evitar perdas nutricionais, contudo se o fizer, posteriormente devem ser acondicionados no frigorífico até 3 dias.

Se pretender congelar, a maioria dos vegetais precisa de um pré-cozimento antes do congelamento. Basta ferver 1L de água para cada 100g de legumes já descascados e cortados, deixar cozinhar até que fiquem “al dente” e, em seguida, mergulhar o alimento num recipiente com água e gelo (choque térmico) até que fiquem frios. Depois disso, basta embalar e congelar.

4. Frutas:

Devem-se separar as frutas que produzem etileno (gás natural, que em contacto com outros alimentos que produzem esse gás em menor quantidades, pode acelerar o processo de amadurecimento). Desta forma, o abacate, abacaxi, banana, figos, maçã, papaia, manga, melão, pera e uvas devem ser separadas e colocadas nas fruteiras. As outras frutas podem ser armazenadas no frigorífico, tal como as frutas descascadas ou picadas armazenadas em recipientes de vidro.

5. Ovos:

Devem ser armazenados sob refrigeração (4 a 8ºC), nas prateleiras mais ao fundo do frigorífico e não na porta. Para saber se o ovo está fresco, abane-o levemente e caso o interior não se mover é porque está em boas condições. Outra forma de verificar é colocar o ovo num recipiente com água e sal: quanto mais fresco ele é, mais fundo ele fica.

Outros cuidados:

  • Não coloque no frigorífico alimentos quentes, tais como uma sopa acabada de fazer ou restos do almoço, pois estará a aumentar a temperatura do ambiente que envolve os restantes alimentos, colocando em causa a conservação eficaz e segura dos mesmos. Procure antes arrefecer os alimentos rapidamente, de forma a preservar a qualidade de todos os ingredientes envolvidos na confeção da sua refeição.
  • Deve evitar o armazenamento das embalagens originais depois de serem abertos e em recipientes de plástico, pois quando quentes ou congelados os alimentos em contato com os plásticos estimulam a liberação de toxinas desse material. Assim, é recomendado usar recipientes de vidro e a película aderente ou vegetal.

Nutricionista Mariana Félix (2626N)