Uma das principais razões que leva ao desperdício é a desorganização tanto no frigorifico como na despensa. Na maior parte das vezes, os alimentos são armazenados de forma aleatória. Um frigorífico bem organizado vai ajuda-lo a poupar tempo, energia e dinheiro, e claro está a contribuir para a boa preservação dos alimentos está consequentemente a contribuir também para a sua saúde.

Neste sentido ficam aqui algumas dicas para o seu frigorífico:

Não sobrecarregue demasiado o frigorífico pois o excesso de alimentos impede a circulação do ar frio não permitindo uma adequada conservação dos alimentos.

Para a organização dos alimentos no frigorífico deve ter em consideração que a temperatura no seu interior não é homogénea. Deve armazenar os alimentos de acordo com a temperatura:

  • Na zona superior (parte com a temperatura mais constante) – iogurtes, queijos, compotas, frutos silvestres e alimentos já cozinhados, sendo que os alimentos já confecionados devem ser conservados em recipientes adequados e fechados (idealmente de vidro). Tanto para evitar o risco de contaminação (assim não há a possibilidade de um alimento cru cair sobre um alimento cozinhado), como pelo facto da temperatura ser mais estável nestas prateleiras. Não os coloque ainda quentes no frigorífico.
  • Zona intermédia – carne e pescado, fiambre e outros produtos de charcutaria, conservas abertas e produtos de pastelaria.
  • Prateleira inferior (parte mais fria) – produtos em fase de descongelação estes alimentos devem estar acondicionados em recipientes que evitem o derrame de líquidos resultantes do processo de descongelação e leite.
  • Gavetas inferiores – Hortícolas, fruta e leguminosas frescas. Se possível, utilize uma gaveta exclusivamente para fruta e a outra para legumes (para que o processo de maturação da fruta não afete a conservação dos legumes).
  • Porta do frigorífico (zona com temperatura mais elevada) – reservada a alimentos que resistem melhor a essa temperatura, como, bebidas, molhos e condimentos, manteiga e margarina.

Todos os alimentos devem ser acondicionados de forma a não estarem em contacto direto com outros (pode recorrer a caixas, por exemplo).

Deverá sempre aplicar o principio de armazenar os produtos de menor validade à frente, de maneira a serem consumidos em primeiro lugar.

Tenha sempre em atenção o modo de conservação indicado na embalagem, bem como o prazo de conservação depois de aberta.

Os enlatados depois de abertos, se não forem utilizados na sua totalidade devem ser armazenados no frigorífico. No entanto, o seu conteúdo deve ser retirado da embalagem de origem e colocado num recipiente adequado antes de colocar no frigorífico.

E no congelador?

Ao contrário do frigorífico, no congelador não é tão relevante o local onde se colocam os alimentos, pois a temperatura será mais uniforme. No caso de ter gavetas poderá é reservar cada uma delas para cada grupo alimentar por uma questão de organização. Exemplo: uma gaveta para carne e aves, outra para pescado e outra para refeições já cozinhadas, hortícolas, frutas, pão. No entanto, antes de “congelar” os alimentos deve seguir os seguintes procedimentos:

  • Hortícolas – devem ser lavados, retiradas as partes não comestíveis e podem ser cortados. De modo a destruir as enzimas, reduzir os microrganismos e para manter a cor aconselha-se a escaldá-los durante 2 minutos e de seguida passa-los por água fria, retirar a humidade e acondicionar corretamente nas porções necessárias.
  • Carne – quando possível deve retirar pele, gordura visível e ossos.
  • Peixe – deve escamar, retirar as vísceras, limpar e lavar.
  • Para melhor organização e controlo de desperdício, arrume os alimentos de acordo com a quantidade que precisa para cada refeição. No caso das refeições já cozinhadas, identifique o conteúdo e data de confeção em cada caixa. Muito importante: o que sai do congelador não deve voltar a entrar!

Nutricionista Andreia Aidos (2506N)