Fazer com que as crianças desfrutem de refeições nutricionalmente equilibradas nem sempre é fácil! Muitas vezes a resistência ao consumo de legumes ocorre ainda antes de provar o alimento.

Para facilitar esta tarefa deixamos algumas sugestões práticas:

  • Em primeiro lugar: dê o exemplo! A criança vê o comportamento dos pais como exemplo e tende a repeti-lo. Se não tem por hábito comer legumes é mais difícil que a criança seja recetiva ao seu consumo.
  • Sirva o prato de forma apelativa e criativa. Ter um prato colorido / com uma forma geométrica / uma cara de um boneco ou desenho animado estimula a curiosidade e o interesse dos mais pequenos. Por isso, dê asas à sua imaginação!
  • Evite premiar a criança com guloseimas quando come legumes. Esta estratégia vai aumentar o gosto por doces em vez de estimular hábitos saudáveis (uma vez que reforça a ideia de que comer legumes não é agradável).
  • Junte os legumes a um alimento que a criança goste (por exemplo: juntar legumes à massa ou ao arroz, fazer puré de batata com mistura de nabo ou couve flor, fazer molho de tomate caseiro com mistura de vários legumes, fazer almôndegas ou hambúrgueres com mistura de legumes).
  • Envolver a criança na preparação e confeção das refeições. Uma vez que os mais pequenos têm tendência a rejeitar o que é desconhecido, é importante que conheçam e identifiquem os legumes (o seu aspeto, a sua textura, o seu cheiro). Em idades mais precoces podem participar, por exemplo, na lavagem dos vegetais e, posteriormente, ajudar a ralar, descascar e cortar os alimentos. Podem também participar nas compras, ajudar a escolher os legumes e ser envolvidos na decisão da forma de os cozinhar.
  • Não esquecer que podemos não gostar de todos os alimentos! Dar o direito à criança de identificar, por exemplo, 3 alimentos (máximo 5) que não gosta e não os incluir no prato da criança. Para aumentar o compromisso pode, por exemplo, fazer 1 ficha para cada elemento da família com os alimentos que cada um não gosta e colocar na porta do frigorífico (os alimentos que não estiveram na lista, terão de ser consumidos, mesmo que não sejam os preferidos!).
  • Escolha uma personagem que a criança adore e conte uma história que associe a personagem ao consumo de legumes e a uma consequência positiva (força / saúde / inteligência / etc.).
  • Não desista! Mesmo que por vezes pareça uma luta inglória, ofereça legumes à criança em todas as refeições. Se a criança disser logo que não gosta, peça para, pelo menos, provar. Se a criança continuar a rejeitar, volte a oferecer esse alimento passado uns dias, mas cozinhado de forma diferente.

Nutricionista Marta Cardoso (0749N)